quarta-feira, 7 de outubro de 2015


O PESO QUE A GENTE LEVA..

Olho ao meu redor e descubro que as coisas que quero levar não podem ser levadas. Excedem aos tamanhos permitidos. Já imaginou chegar ao aeroporto carregando o colchão para ser despachado?

As perguntas são muitas… E se eu tiver vontade de ouvir aquela música? E o filme que costumo ver de vez em quando, como se fosse a primeira vez?

Desisto. Jogo o que posso no espaço delimitado para minha partida e vou. Vez em quando me recordo de alguma coisa esquecida, ou então, inevitavelmente concluo que mais da metade do que levei não me serviu pra nada.

É nessa hora que descubro que partir é experiência inevitável de sofrer ausências. E nisso mora o encanto da viagem. Viajar é descobrir o mundo que não temos. É o tempo de sofrer a ausência que nos ajuda a mensurar o valor do mundo que nos pertence.

E então descobrimos o motivo que levou o poeta cantar: “Bom é partir. Bom mesmo é poder voltar!” Ele tinha razão. A partida nos abre os olhos para o que deixamos. A distância nos permite mensurar os espaços deixados. Por isso, partidas e chegadas são instrumentos que nos indicam quem somos, o que amamos e o que é essencial para que a gente continue sendo. Ao ver o mundo que não é meu, eu me reencontro com desejo de amar ainda mais o meu território. É conseqüência natural que faz o coração querer voltar ao ponto inicial, ao lugar onde tudo começou.

É como se a voz identificasse a raiz do grito, o elemento primeiro.

Vida e viagens seguem as mesmas regras. Os excessos nos pesam e nos retiram a vontade de viver. Por isso é tão necessário partir. Sair na direção das realidades que nos ausentam. Lugares e pessoas que não pertencem ao contexto de nossas lamúrias… Hospitais, asilos, internatos…

Ver o sofrimento de perto, tocar na ferida que não dói na nossa carne, mas que de alguma maneira pode nos humanizar.

Andar na direção do outro é também fazer uma viagem. Mas não leve muita coisa. Não tenha medo das ausências que sentirá. Ao adentrar o território alheio, quem sabe assim os seus olhos se abram para enxergar de um jeito novo o território que é seu. Não leve os seus pesos. Eles não lhe permitirão encontrar o outro. Viaje leve, leve, bem leve. Mas se leve.
FABIO DE MELO..



 SAUDADES DE TODOS VOCÊS ...


27 comentários :

Mariangela do Lago Vieira disse...

Oi Evanir!
Que postagem maravilhosa e muito verdadeira.
Precisamos aprender com ela.
Pois a vida é simples e não precisa de muitas coisas.
Amei!
Espero que tudo esteja bem com você!
Fique com Deus!
Beijos,
Mariangela

CHARO disse...

Amiga Evanir siempre es un placer pasar por aquí, te dejo un enorme besico.

emanuel moura disse...

Boa noite querida afilhada adoro os momentos do padre Fábio um ser humano profundo que escreve divinamente ,querida afilhada desculpe a brevidade ,mas ainda estou no trabalho ,muitos beijinhos no coração.

Cidália Ferreira disse...

Muito bela esta postagem!!

Beijo de boa noite

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Denise disse...

love and hugs sweet friend.

Odete Ferreira disse...

Obrigada pela partilha deste fabuloso texto. Tenho vindo muito menos aos blogues. Precisei de fazer outras coisas; uma delas, tem a ver com o texto: libertar espaços ocupados com tanta coisa que já não é necessária (sobretudo os inúmeros dossiês ligados à minha vida profissinal); desde que um tio muito querido foi atropelado mortalmente, não mais regressando a casa (cabendo-me a mim libertar tudo o que havida deixado), que, cada vez mais, só quero conservar o essencial. Guardava tudo, pensando que, um dia, havia de querer recordar o que essas coisas haviam significado para mim. Puro engano.
Um grande bjo, Evanir :)

Bell disse...

Sdd de vc tb


bjokas e um dia abençoado pra vc =)

Débora Teixeira. disse...

Lindo poetar Evanir,mais muito triste!
Na verdade é a realidade da vida...
Beijos.

Edumanes disse...

Com amor e carinho no coração,
porque a felicidade nunca pesa
quando formos viajar de avião
são as coisas que a gente leva!

Esquecida, não pode ficar,
em terra, a saúde abandonada
porque a toda a hora é precisa
e não nos pesa mesmo nada.

Pela sua visita, no meu blog, obrigado,
o seu comentário com muita atenção li,
também a blogosfera como no passado
está perdendo o interesse, já percebi.

Tudo tem o seu tempo,
com momentos de euforia
por enquanto, ainda, não penso
abandoná-la por aí à revelia.

A alegria seja sua companheira,
e a saúde nunca a abandone na vida
seja fixa e não como nuvem passageira
sempre com você de noite e de dia!

Boa tarde minha afilhada Evanir,
um beijo e tudo de bom desejo para você.
Eduardo.

Maria Ferreira N. Vechi disse...

Boa tarde Evanir
Lindo poema,para refletir!!
Beijos,fica com Deus

Fê blue bird disse...

Também tenho muitas saudades suas minha querida amiga.

Um texto que doí de tão verdadeiro.


Um beijinho com amizade

Elio disse...

Ottimo testo, Evanir. Un amichevole abbraccio.

Nal Pontes disse...

um abraço Evanir, lindo o seu cantinho. Bjs

Maria Rodrigues disse...

Maravilhosa mensagem.
Espero do coração que tudo esteja bem consigo.
Um grande beijinho
Maria

Alexandra Abarca disse...

Abrazos ticos.

A Casa Madeira disse...

Hoje mesmo... estava pensando; que não se leva nada desta vida mesmo...
É que em meio a tanto ter para ser, é difícil encontrar
pessoas a volta para uma simples conversa do tempo; etc.
As vezes o estar só e o silêncio faz-nos reconhecer quem somos
e o que queremos.
Hoje em dia para querer estar bem parece que temos que abrir mão de estar
tbm com pessoas...
Esse belo texto só vem a ratificar os bons propósitos.
Um bom começo de fim de semana...
E agradeço a sua presente visita a minha casa.
janicce.

Sony Azevedo disse...

Boa noite, Evanir. Gosto muito do que Pe. Fábio escreve. Este texto é muito bom e incentivador. Grata por compartilhar. Muita luz e paz. Beijo no coração

Enrico zio disse...

Bel post!
Un abbraccio affettuoso alla cara amica Evanir. Felice fine settimana.
enrico

Sor.Cecilia Codina Masachs disse...

Gracias Evanir por pasar por mi blog en su sexto aniversario. En esta vida todos viajamos con el billete de la esperanza y si se pierde, su transitar se vuelve doloroso.
Un abrazo Evanir.

CRISTINA disse...

Hola Evanir, a veces, vivimos situaciones en que las palabras parecen desaparecer de nuestro vocabulario.
Un abrazo.

Graça Pires disse...

Um belo texto. "Viajar é descobrir o mundo que não temos".É por isso que passo por aqui.
Um beijo, Evanir.

Lucimar da Silva Moreira disse...

Infelizmente a vida é assim,temos que conviver com as tristezas mais isso não significa que vamos ficar sempre com elas, ótima a mensagem, Evanir beijos.

ClickseRabiscos disse...

Bom dia Evanir
A vida pode ser tão simples basta que a gente não complique não é?
A felicidade está nas coisas pequenas e simples
Esta é a mais bela lição que aprendemos
Obrigada por sua carinhosa visita ao meu blog e por se tornar seguidora
Um abraço

Magia da Inês disse...

❀ه° ·.
Quanto mais leve, quanto mais nos desapegamos, mais felizes somos!

Bom fim de semana, com tudo de bom!
Beijinhos.
❀❀ه° ·.

Marlene Ferrari disse...

Olá querida Ivanir, vim retribuir seu carinho lá no Pão com Prosa! Muito obrigada pela carinhosa visita viu!? Lindo e verdadeiro esse texto querida, serva para uma boa reflexão! Te desejo um abençoado final de semana! Bjos!

Algodão Tão Doce disse...

Olá querida, passei por aqui para agradecer sua doce presença
no meu cantinho.Obrigada !!!
LINDA POSTAGEM...COMO SEMPRE MARAVILHOSA!!!!
Abraços, Marie.

Ana Freire disse...

Que partilha linda, Evanir!
E também uma forma de viajar... pois iremos deixar um pouco de nós... com quem partilhamos as nossa vivências, e formas de ver o mundo, e também através das nossas palavras...
“Aqueles que passam por nós, não vão sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).
Um beijo imenso!
Ana

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios