sexta-feira, 9 de outubro de 2015


A depressão.


Quando se olha o mundo de fora é muito fácil dizer o que se deve fazer, como e até quando. Achamos soluções para todo mundo, desde que não estejamos envolvidos. É fácil falar da dor que não sentimos, do amor que não perdemos, dos problemas que não temos e da vida que não vivemos. Somos assim muito sábios quando o espinho não está em nós!...

Os altos e baixos são comuns a todo mundo. Ninguém vive em linha reta. E há pessoas que suportam mais facilmente as subidas e descidas da vida que outras, como umas pegam certas doenças e outras não. Há coisas que não se controla, pois se tivéssemos escolha, optaríamos sempre por uma vida sã.

A depressão é uma doença como uma outra, não um capricho de quem deseja mais do que a vida pode oferecer. Só quem passou ou passa por isso sabe entender o que é. E como toda doença, deve ser reconhecida, entendida e tratada como tal. Infelizmente todo mundo não está preparado para ajudar em casos assim e tentam resolver os problemas mostrando que há pessoas mais infelizes. Contudo, não é possível minimizar a dor de ninguém, fazendo-o comparar sua infelicidade com as misérias do mundo. Ninguém pode se sentir melhor porque do lado de fora há mais sofrimento. Se fosse assim, seria fácil ir dormir feliz a cada dia, bastando assistir ou ler jornais.

É claro que muitas vezes vemos uma coisa triste e pensamos no quanto somos abençoados por não vivermos aquilo. Isso é normal para todo mundo, nos faz refletir sobre a realidade da vida. Mas se passamos nossa vida com comparações não vamos a lugar nenhum, pois sempre haverá parâmetros diferentes e acabaremos nos sentindo perdidos.

Precisamos respeitar a dor e sentimento do outro, como respeitamos os limites do seu jardim. Cada vida é única, é própria. Podemos ajudar uma pessoa depressiva mostrando-lhe o lado belo da vida, dando-lhe razões para olhar além do horizonte, criar objetivos e acreditar neles. Podemos tirá-la do isolamento em que se encontra dando-lhe palavras de reconforto e amizade, fazendo-a sentir-se amada e útil. Dizer a um depressivo que seus problemas são mínimos porque há coisas piores na vida não o fará sentir-se melhor.

Quando Jesus se referiu à pessoas com problemas e ansiedades, mandou que olhassem os lírios dos campos e as aves no céu e se repousassem,  apontou para coisas bonitas e alegres, nunca disse para olharem os necessitados. E Ele teve, também, Seu momento de dor, tristeza e lágrima, como todo ser humano.

As soluções para os problemas começam com o reconhecimento deles. Ter amigos que possam compreender já é um passo na direção da cura. A compreensão da dor do outro leva-lhe segurança. E, segura, uma pessoa poderá se levantar e recomeçar seu caminho, com toda ajuda que ela deve ter.

Depressão?
 Uma doença sim.
 E médicos são úteis.
 Amigos são preciosos.
 Orações são imprescindíveis.

Letícia Thompson

contact@leticiathompson.net
Eu sei e entendo o quanto é grande a luta para sair de uma depressão,
O pior é muitos não entender,
 ainda vivo  a sombra dos dias
tristes pelo qual passei.
Sem duvidas precisamos de ajuda da nossa família , médicos e
os poucos amigos que nos resta.
Nem todos encara como doença a depressão ..
Mas afirmo existe e não sendo tratada 
leva até a morte infelizmente.
Beijos e meu eterno carinho.

8 comentários :

Cidália Ferreira disse...

As depressões são muito complicadas, muito mesmo!!!
Texto muito bonito, adorei ler

Beijo de boa noite. bom fim de semana
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Kasioles disse...

Querida amiga: He llevado varios meses alejada de mi blog y, en este largo periodo que he permanecido ausente, no me he comunicado con nadie, es normal que notases la falta de mis letras en tu espacio, ya sabes que siempre tengo la buena costumbre de contestar a todos los que me visitan.
No sabes bien lo mucho que siento tu estado de salud, tenía idea de que ya lo habías superado.
Pero hay enfermedades que parece que nos quieren demasiado y no se separan de nosotros, esperemos que pronto se cansen y desaparezcan.
Con la pérdida de mis seres queridos, sí que me he sentido hundida, sin ganas de nada, perdí la ilusión y la pena llenaba mi corazón. Me imagino que la depresión tiene que ser un estado parecido y es tanto el sufrimiento que se siente, que no se lo desearía ni a mi peor enemigo.
Cada uno vive la enfermedad como puede, unos tienen más fuerza interior y le hacen frente y siguen adelante, luchando con todas sus fuerzas y nunca pierden la esperanza, otros, por el contrario, les coge desprevenidos y, sin dejar de pensar en ello, en sus consecuencias y en las personas que les rodean, pueden llegar a un estado de depresión que aumenta la ansiedad y dificulta aún más la curación.
Pese a todo, piensa que hoy en día hay fármacos para todo, sigue al pie de la letra lo que te aconseje tu médico y ya verás como pronto nos dices que te encuentras mucho mejor y que has superado este nubarrón que te ha venido encima.Dios siempre ayuda y tú te lo mereces.
Te dejo cariños en un abrazo muy especial.
Kasioles

emanuel moura disse...

Querida afilhada um momento certamente para reflexão ,pois não é fácil viver quando tudo parece ruir ,felizmente querida afilhada que existem pessoas maravilhosas que nos apoiam e nos fazem acreditar que a vida apesar dos pesares é bela demais ,muitos beijinhos no seu lindo coração.

Arlete Mourige disse...

Oi Evanir! Bela mensagem.Infelizmente existem muitas pessoas depressivas,que nem sempre são tratadas como deveriam.Beijos amiga

Ambra disse...

Passo per augurarti un buon fine settimana

Denise disse...

so very true, I deal with depression. love you my friend.

Mari-Pi-R disse...

La depresión es una enfermedad mal entendida en general por eso hay que comprender a los seres que la sufren y darles nuestro apoyo.
Un abrazo.

Ana Freire disse...

Um texto belíssimo, sobre esta doença silenciosa... da qual ninguém está livre... neste mundo corrido e meio cruel em que vivemos, que nos obriga a parecer bem, e que por vezes, não nos dá muitos motivos, para nos realmente sentirmos bem...
Mas só nós mesmos, sabemos porque razão a sentimos, e as duras batalhas que travámos e vencemos, ou não... reconhecermos isso... valorizar cada vitória nossa, aceitar cada derrota, aceitando-nos e perdoando-nos por isso... relativizar o que não podemos mudar... e amarmos cada pequena coisa que nos sabe, faz bem, e dá prazer... pode não curar... mas certamente, será um grande avanço nesse sentido... se começarmos a valorizar cada dia um pouco mais, e a preenchê-lo de pequenos prazeres...
Um beijo imenso, Evanir! Desejando-lhe um bom domingo! E agradecendo suas palavras tocantes, e que me emocionaram, lá no meu canto!
Ana

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios