terça-feira, 23 de setembro de 2014

Obrigada por sua visita! Seu comentário é muito importante para mim. Até onde posso, vou deixando o melhor de mim... se alguém não viu, foi porque não me sentiu com o coração.


Hoje estou sendo entrevistada no blog da querida amiga Anne.

http://menina-voadora.blogspot.com.br/

Eu também já fui criança
(Anne Lieri)



Nosso projeto Infância continua hoje em sua8ª edição.

Hoje a nossa convidada para falar de sua infância é a:
Evanir do blog “ A viagem”


Conte uma passagem da sua infância, ou em poucas palavras, o que se lembra de bom e/ou ruim nessa fase.


Na minha infância nunca tive um brinquedo, porque meus pais eram muito pobres.

Precisava ajudar o meu pai com as tarefas do campo,o que me fazia feliz era devorar os livros que chegavam às minhas mãos.

Às vezes sem condições de comprá-los, lia e relia o mesmo livro várias vezes e com eles eu me tornava a princesa, a mocinha e o meu príncipe sempre chegava.


Tinha alguma boneca ou brinquedo preferido?

Minha boneca era boneca de espiga de milho,como descrevo em meu livro.



Livro de Evanir á venda com a autora em seu blog. 

Acariciava os cabelos da espiga de milho.

Na minha inocência dava asas à imaginação e via na boneca cabelo de todas as cores.


Na escola dava muito trabalho?

Na escola nunca dei trabalho para as professoras.

O período que ficava na sala de aula eram momentos felizes, momentos de lazer por conviver com outras crianças.

Podia brincar como também, ficava livre do trabalho do campo.


O que queria ser quando crescesse?

Meu sonho era continuar estudando para viver uma vida melhor, com mais oportunidades.

Sonhava em viajar, sempre desde pequenina tive fascinação por Portugal, mas o sonho mais importante era depois de formada poder oferecer uma vida melhor aos meus pais,que tanto se sacrificaram por mim e por minha irmã.


Minha mensagem às crianças:

Crianças levem muito a sério os estudos, brinquem como crianças,
mas pensem sempre num futuro melhor e mais bonito.

De nada vale um dia vocês receberem uma herança se não tiver estudado para saber multiplicá-la.
Àqueles que nada têm para receber e terão de lutar pelo pão de cada dia,terão oportunidades melhores na vida se tiverem estudado.

Mas não se esqueçam que cultura não humaniza ninguém,muito importante vocês aprenderem os verdadeiros valores da vida.
Estes não têm dinheiro que compre, estes vêm de dentro da alma e são mais importantes e valiosos que qualquer coisa.

O mundo tem muitas coisas boas e belas para oferecer, mas também,
tem um lado desumano, ruim e só os bons sentimentos poderão livrá-los desta maldade.
Só os bons sentimentos, os verdadeiros valores poderão transformar o mundo.

Amem sempre, sempre.

Anne ..
Deus Abençoe pelo carinho e lembrança,
a criança agradece e a Evanir te abraça.
Meu eterno carinho.
Evanir.

19 comentários :

✿ chica disse...

Li, mais cedo , lá na Anne e gostei muito! Parabéns e beijos às duas,chica

Gracita disse...

Minha querida
Linda e comovente as lembranças da sua infância. Felicidade, carinho e amor dinheiro nenhum compra. E pude vislumbrar pelo viés poético da sua descrição o quanto foste feliz na sua tenra idade. Esse coração generoso que tem dentro do peito é o espelho da criança muito amada e que muito amou e por amar tanto é que hoje deixa esse genuíno sentimento transbordar e envolver a todos que estão ao seu redor. Somos privilegiados por estar no seu círculo de amizades. Quem desfruta de uma amizade como a sua foi agraciada com a dádiva da fidelidade e do amor.
Parabéns afilhada pela entrevista fabulosa.
Muitos beijos no seu doce coração
Madrinha Gracita

Miguel disse...

Evanir, minha queridíssima amiga

As minhas férias terminaram… e para assinalar o seu fim publicarei um post, logo, à meia noite. Fico-te aguardando.

Adorei esta sua postagem.
Quanto ao seu livro, já o li, emprestou-mo a nossa querida amiga Mariazita. Gostei imenso!

Desejo que a sua saúde tenha estabilizado, assim como a da filhota (a Mariazita contou-me...)

Um grande beijinho com todo o carinho
Miguel

Cidália Ferreira disse...

Venho desejar uma Primavera cheia de esperança e paz ao vossos corações.

Beijinhos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Simone Felic disse...

Boa tarde
Eu também brincava com cabelos de milho, minha mãe brigava pois eu arrancava os cabelos e prejudicava o milho.
beijinhos e uma ótima semana.
http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

Alexandra Abarca disse...

Espero que este miércoles lo pases pura vida.

emanuel moura disse...

Querida afilhada uma infância igual a muitas de outras crianças ,trabalho fazia parte de quem não tinha posses ,mas os sonhos eles se formam seja no rico ou no pobre ,mas certamente a maior riqueza foi tudo quanto aprendeu e tudo quanto lhe transmitiram ,porque felicidade nem sempre e ter tudo ,muitas vezes ter pouco e ver a vida de baixo para cima e agradecermos cada dadiva que Deus nos concede ,uma das maiores riquezas são todos os ensinamentos que os nossos pais nos transmitiram pois são eles a base de toda a nossa formação como adultos ,poderia ser uma vida difícil ,mas com certeza houve momentos de muita alegria e amor ,esses ensinamentos tornaram na pessoa admirável que você e ,muitos beijinhos que Deus ilumine sempre a sua vida .

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Querida Evanir, me emocionei com a entrevista.
Quantas crianças eu personifiquei ali. Eu mesma coube direitinho em algumas perguntas e respostas.
O importante é que hoje estamos aqui e sabemos valorar o que vivemos.
Grande abraço!

CHARO disse...

Eso de hacer una muñeca de la mazorca de maiz me ha parecido genial.Besicos

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Evanir
Quando criança, até as tristes lembranças têm o seu encantamento.
Bjux

Gracita disse...

Amada e doce afilhada,
Você é uma pessoa linda, que foi chegando aos poucos na minha vida, e quando vi já tinha tomado uma grande parte de mim. Juntas, passamos alguns dos melhores momentos de nossas vidas. Houve revezes... sim! Toda relação verdadeira tem vieses de alegria e outros não tão alegres. São momentos únicos e especiais e ficaram tatuados em nosso coração. Talvez estas palavras sejam insuficientes pra expressar toda a minha admiração, meu amor, minha amizade e todo o meu respeito por ti amiga. Como quaisquer uns, sempre tivemos nossos momentos difíceis, ataques de ciúmes, medo, distância, uma infinidade de coisas. Eu só gostaria que você soubesse que você é uma das pessoas mais importantes pra mim, que confio em você, que torço pela tua felicidade. Eu quero te sintas bem, confiante, dona de um altruísmo invejável alicerçado na sua fé inabalável. Sinto falta das nossas loucuras, nossas conversas, os choros, as risadas, os passeios na praia nos finais de tarde e nossa perambulação pela feirinhha sempre à procura de novidades. O que seria de mim sem você? Saiba, a distância não é nada se comparada a grandeza de todas as coisas… Os verdadeiros sentimentos ficam dentro de nós e jamais são arrancados! Te amo amiga! Só as saudades é que não permite que sejamos felizes por inteiro... ela machuca o coração. E digo sempre e mais uma vez... Te amo amiga querida
Um abraço apertado e muitos beijos com carinho e afeto da sua madrinha
Gracita

SOL da Esteva disse...

Evanir, minha Querida
Já havias partilhado, no teu Livro, estas palavras emotivas sobre a tua infância.
Na verdade cada criança tem (teve) a sua infância, o seu Mundo, a sua fantasia. O sofrimento que cada um tem (teve) é algo para se tentar esquecer, embora a recordação persista em fazer doer a cada hora.
Que possas superar, superando-te. Te desejo tudo de bom.



Beijos


Sol

Fê blue bird disse...

Querida amiga Evanir:

A minha mãe também me contou que as suas bonecas eram feitas de espigas de milho.
Emocionei-me muito com a sua descrição da sua infância difícil, mas que cimentei valores profundos de gratidão e valores humanos.
Bem-haja !

beijinho

Anne Lieri disse...

Oi Evanir! Que legal postar aqui tb! Fico contente que tenha gostado e eu é que agradeço ter aceito meu convite. bjs,

Felisberto Junior disse...

Olá, Boa noite, querida Evanir
...sempre antes de lermos qualquer entrevista, acreditamos que sabemos muito sobre a entrevistada... e, às vezes, acabamos nos surpreendendo. São muitas particularidades, natural, que só a mínima proximidade poderia desvendar essa quantidade enorme de novos saberes. Neste processo, continuamos andando, mas com a convicção de seguir dialogando , na interação, para seguir conhecendo sempre mais e mais...
Prazer pela oportunidade de te conhecer mais um pouquinho! Que Deus continue te abençoando!
Obrigado pelo carinho, bela continuação da semana, belos dias,beijos!

Nal Pontes disse...

Que linda história de uma menina guerreira que venceu e continua dando uma lição de vida a todos que a cercam. Parabéns Evanir e tmb a Anny por compartilhar um pouquinho de sua vida. bjs

vendedor de ilusão disse...

Olá Evanir, minha cara amiga!
Para que saibas, divulguei a Programação das apresentações do 2º Prosas Poéticas que se iniciará nos próximos dias; dê uma olhada, quem sabe entre as autoras e os autores participantes, não tenha alguém a quem gostarias de prestigiar.
Abraço.

Célia Lima disse...

Eu gostei da entrevista, a única coisa que tenho certeza é que vc ainda continua sendo criança, pois ainda não perdestes esse lado moleca e ainda bem né? Não devemos deixar o nossa lado criança adormecer mesmo que algumas vezes a tristeza vem tentar nos dizer o contrário. Parabéns por ter vencido e obrigada por partilhar com agente sua história comovente de criança.

Bjsss

LUCONI MARCIA MARIA disse...

AMIGA AMADA ESTOU VINDO LÁ DA ANNE E DEIXO AQUI O COMENTÁRIO QUE LÁ FIZ:

Cheguei atrasada mas cheguei, não podia deixar de faltar na entrevista da querida Evanir, li as respostas e fui sorrindo a Evanir é bem assim, ela é uma menina até hoje, aquela menina simples não desapareceu está presente sempre e eu a amo muito, beijos Luconi

VOCÊ É DEMAIS TE ADORO

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios